Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

porViseu

Apontamentos e notas sobre a cidade de Viseu, Portugal.

porViseu

Apontamentos e notas sobre a cidade de Viseu, Portugal.

O Hotel Grão Vasco, visto por "O da Ribeira"

HotelGVasco.jpg

No Jornal do Centro de 11 de Fevereiro de 2005, num artigo de Humberto Liz titulado "Achegas para uma Biografia "X"" sobre a vida e obra de José Alves Madeira, deparámos com este poema, feito quando do anúncio do Hotal Grão Vasco. Já anteriormente publicámos alguns dados deste brilhante Viseense, que nos surpreende sempre. Brilhante. Parabéns ao Jornal do Centro e ao Autor destas Achegas para a Biografia de José Alves Madeira !

Ali pegado ao Parque,

Onde em tempos foi o Quartel,

Vai erguer-se uma obra de arte,

Um grande Hotel!

 

A obra começou pelo baptismo,

O que bastante preocupou os accionistas,

Chamando-lhe ao nascer de Turismo,

Porque dava mais nas vistas,

E era mais usual para atrair os turistas,

De dentro e fora de Portugal!

 

Afinal não se julgando o nome sonante,

Houve crisma e ainda bem,

Porque Turismo não era fascinante

E é coisa que qualquer terra tem,

Nem que seja um tasco

Havendo, pois, por bem,

Dar-lhe um nome sem mistura, o de Grão Vasco

Que, por certo, não deixa borrar a pintura!

 

Encontrado o nome, a solução,

Resta fazer a obra sem fiasco.

Não vá um dia aborrecer-se o Vasco

E ficar só o bacalhau com Grão!

 

...Viseu, 14 de Julho de 1961 "O da Ribeira“" in Jornal do Centro, edição nº152 de 11 de Fevereiro de 2005, por Humberto Liz”

Casa Quinhentista

CasaQuinhentista.jpg“Se, pelo vêso, que nos fica de logo inquirirmos, quem fez isto tão lindo!? quizermos saber a origem da belíssima casa quinhentista, que está de frente para o antigo Largo do Colégio (hoje Largo António José Pereira), temos de contentar-nos com o dizer das pedras, já que resposta dos homens não acerta. Nos belos tempos de quinhentos, a cidade tinha ali um miradoiro – e sobre o sítio deste edificou, um sobrinho do bispo D. Ortiz, outra lindíssima casa (em frente da que estampamos).”In Documentário Gráfico de Viseu - 1942